4 Dicas Para Economizar na Decoração de Apartamento

Além do valor da entrada, parcelas do financiamento, gastos com documentos e outras pequenas despesas que surgem durante a aquisição do imóvel, ainda é importante se programar para os custos com a decoração de apartamento.

É comum que os compradores priorizem as despesas maiores e não deem tanta atenção para os gastos que terão quando pegarem a chave do imóvel. E, ao contrário do que algumas pessoas pensam, não é preciso gastar muito dinheiro nessa etapa. É possível criar ambientes bem decorados com bastante economia. Quer saber como? Confira!

1. Programe-se financeiramente

O primeiro passo é saber quanto você pode gastar. Por isso, é extremamente importante definir um orçamento para a reforma, caso o apartamento seja usado, ou para as primeiras obras, em imóveis novos.

Essa etapa é essencial porque te livra de comprar artigos desnecessários ou itens supérfluos e, ainda, poupa o seu dinheiro para móveis e objetos realmente úteis para sua casa nova.

2. Planeje cada cômodo para a decoração de apartamento

Depois, você deve planejar o que deseja em cada cômodo para avaliar o que será possível fazer com o orçamento que determinou. Para ajudar, escreva ou, até mesmo, desenhe a disposição, tamanho e cores dos móveis que quer no ambiente, cortinas, abajures, poltronas etc.

Com essa ação vai ser mais fácil focar as compras no que você realmente deseja para o espaço e te ajuda a avaliar a relação de custo-benefício de cada item.

3. Foque nas suas necessidades

Para economizar na decoração de apartamento, você deve focar em suas reais necessidades. Sendo assim, itens como revestimentos, pintura e iluminação devem ser priorizados e o restante adequado ao seu orçamento. Talvez seja mais adequado deixar alguma obra mais elaborada ou mais cara para um outro momento.

4. Faça você mesmo

Você provavelmente já viu alguns tutoriais de DIY (faça você mesmo) na internet, não é? Para economizar na decoração de apartamento essa pode ser uma ótima solução. Afinal, com a sua própria mão de obra os objetos tendem a ficar muito mais baratos.

É possível criar desde artigos decorativos como quadros e vasos, até móveis, com a utilização de pallets que, inclusive, estão em alta.

Viu só? É possível fazer a decoração de apartamento sem gastar muito, basta que você se planeje e dê prioridade ao que realmente é necessário.

Se quiser mais dicas sobre imóveis, continue acompanhando o blog da Caprem e conte com a nossa ajuda para o que precisar!

Quem Pode Utilizar o Programa Minha Casa Minha Vida?

O Programa Minha Casa Minha Vida é uma iniciativa já bastante conhecida do Governo Federal, que vem facilitando a compra de imóveis para famílias de baixa renda desde 2009 no Brasil.

Esse ano, mais precisamente em março, o programa passou por algumas modificações e começou a abranger famílias com uma renda maior. Veja abaixo quem pode utilizar esse benefício para adquirir um empreendimento residencial e quais são as regras para as pessoas de cada renda.

Rendas mensais que se enquadram no Programa Minha Casa Minha Vida

Para participar do Programa Minha Casa Minha Vida é preciso se encaixar em alguma das rendas atendidas pela iniciativa. Elas, que chegavam a até R$ 6.500,00, agora podem chegar a R$ 9.000,00 por família. Veja só!

Faixa 1

Para famílias que têm a renda mensal de até R$ 1.800,00, a Caixa Econômica – responsável pelo programa – libera um financiamento de até 120 meses, 10 anos, em que as prestações precisam ficar entre R$80,00 e R$ 270,00 para que o beneficiário não comprometa uma parcela muito grande da sua renda.

Faixa 2

Quem tem a renda familiar de até R$ 2.350,00 também pode participar do Programa Minha Casa Minha Vida. Nesse caso, os imóveis novos ou na planta podem ser financiados em até 360 meses, 30 anos. Para as famílias com renda de até R$ 3.600,00 o Governo libera um subsídio para complementar a entrada que vai até R$ 27.500,00.

Faixa 3

Já para o restante das famílias, desde que tenham uma renda mensal de até R$ 9.000,00 não há subsídio por parte do Governo e o imóvel pode ser financiado em até 30 anos. Porém, ainda há benefícios. Nesses casos, as taxas de juros em comparação aos outros bancos são menores.

Vantagem do Programa Minha Casa Minha Vida

Quanto menor for a renda do beneficiário, mais vantagens o Governo Federal tende a oferecer no Programa Minha Casa Minha Vida. Sendo assim, por mais que os subsídios sejam ótimos benefícios para facilitar a entrada na compra do imóvel, as taxas de juros, que variam entre 5% e 12% ao ano, ainda são as principais vantagens dessa iniciativa.

Agora que você já sabe quem pode utilizar o Programa Minha Casa Minha Vida, já pode perceber se a sua renda é compatível e adequada para participar do projeto para adquirir o seu imóvel.

Continue acompanhando as dicas da Caprem e conte conosco para o que precisar!

4 Erros Mais Comuns na Hora de Escolher Apartamento Para Comprar

Na hora de escolher um apartamento para comprar existem tantos sentimentos envolvidos que é fácil deixar que alguns erros aconteçam. Mesmo sabendo que esse investimento requer atenção redobrada, alguns descuidos ainda acontecem e podem gerar bastante dor de cabeça no futuro.

Quer conhecer os erros mais comuns que os compradores cometem ao adquirir um imóvel? Então, confira a lista que preparamos e tome cuidado para que não aconteçam com você!

1. Menosprezar taxas e impostos

Ao escolher um apartamento para comprar não é só o valor da entrada e do financiamento que devem ser levados em conta. Porém, mesmo sabendo disso, algumas pessoas menosprezam as taxas e impostos que acompanham a venda do empreendimento e não se programam para gastar, em média, 5% do valor do imóvel a mais.

Quando o empreendimento já foi construído, é preciso se planejar para pagar ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens), IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), condomínio etc.

Agora, quando o imóvel ainda está na planta, além da ITBI, também há gastos cartorários, despesas com escritura e registro e, também, com a variação do INCC (Índice Nacional de Custo da Construção).

2. Assinar o contrato de compra e venda sem ler ou entender

O contrato é a principal garantia dos compradores ao adquirir um imóvel. Por isso, não dá para assiná-lo sem ler ou sem compreender cada uma das cláusulas descritas no documento. Porém, isso ainda acontece.

Quando assina o contrato, você está se comprometendo perante a lei a tudo o que foi especificado no documento. Portanto, leia! Peça uma cópia para ler em casa com calma afinal, você tem até sete dias para desistir de qualquer compra e pergunte sobre qualquer item que não tenha entendido.

3. Não pensar nos gastos para a mudança

Depois de comprar um apartamento vai chegar a hora de se mudar, mas muitas pessoas não pensam nos gastos que terão nesse momento, seja o imóvel novo ou usado.

Se você tiver adquirido um apartamento novo, provavelmente, ele só virá com piso na cozinha e no banheiro e com azulejo apenas nas áreas molhadas. Sendo assim, os gastos com revestimento são certos, além disso, você pode querer pintar as paredes, fazer texturas etc.

Agora, se o imóvel for usado, você pode querer reformá-lo, colocando pisos e azulejos que sejam do seu gosto e pintar os cômodos da forma que te agrada. Além disso, talvez seja necessário fazer alguns reparos.

4. Não pesquisar sobre a construtora ao escolher um apartamento para comprar

Não consultar a credibilidade da construtora antes de escolher um apartamento para comprar é um dos erros mais comuns por parte dos compradores e, por conta disso, nesses casos, é comum a falta de respaldo por parte da empresa e a entrega de imóveis com acabamentos mal feitos e até com problemas estruturais.

Para não deixar que isso aconteça com você, pesquise sobre a reputação da construtora, converse com os vizinhos se o empreendimento já estiver pronto e cheque a qualidade dos acabamentos.

Agora que você já conhece os erros mais comuns na hora de escolher um apartamento para comprar, está na hora de dar o primeiro passo. Para isso, saiba como economizar dinheiro para adquirir seu imóvel e realize esse sonho!

Continue acompanhando as dicas aqui no blog e conheça a Caprem, uma construtora com mais de 14 anos de história que pode te ajudar a comprar o apartamento ideal

3 Passos Para Comprar Imóvel com Tranquilidade

Quantos casos de pessoas que fecharam maus negócios na hora de adquirir imóveis você conhece? Por conta disso, é comum que haja certo receio por parte dos compradores e a busca pela tranquilidade ao comprar imóvel seja colocada em primeiro lugar.

Adquirir um empreendimento imobiliário significa dispor de um valor muito alto e, geralmente, se envolver em uma dívida de anos. Por isso, nós trouxemos os 3 passos que podem garantir uma compra mais sossegada. Confira!

1. Programe-se para ter 20% do valor do imóvel

Se você tem a intenção de comprar imóvel, o ideal é que se programe para ter, ao menos, 20% do valor do empreendimento para oferecer de entrada. Primeiro porque os bancos costumam liberar até 80% do valor do imóvel para financiamento e, também, porque quanto maior for a sua entrada, mais chances de crédito você tem.

Outro grande benefício de dispor de um valor relevante, é que a taxa de juros fica menor e, dependendo da entrada, você terá a chance de fazer um financiamento menor, com menos prestações.

2. Poupe um valor para a documentação

Um dos maiores medos ao comprar imóvel é ser surpreendido por valores que não foram acordados. Porém, na maioria das vezes, esses pagamentos são devidos, só não foram informados no momento de fechamento do contrato por isso é importante contar com uma construtora de confiança, falaremos disso a seguir.

Mas é importante que você saiba que o valor do imóvel não é o único gasto que terá. É essencial poupar, pois, depois de adquiri-lo, terá que pagar pela documentação do empreendimento, que inclui custos cartorários, escritura pública, taxa de emissão de contrato com o banco, ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis), taxa de INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), seguros, dentre outros.

Fique atento e procure se informar sobre todas as taxas e impostos. Elas podem variar entre imóveis na planta, novos e usados. Portanto, busque o máximo de informações que puder.

3. Escolha uma construtora/imobiliária de confiança para comprar imóvel

Comprar imóvel com uma construtora ou imobiliária de confiança é o principal ponto para ter tranquilidade na aquisição. Isso te livra de informações mal prestadas, atraso na obra, falta de suporte ou, até mesmo, golpes.

Por isso, é extremamente importante que você busque por empresas com bom histórico, que estejam no mercado há longo tempo, tenham múltiplos canais de comunicação e credibilidade.

Para saber de tudo isso, pesquise! Procure por depoimentos de clientes, visite outros empreendimentos daquela construtora, busque dados sobre o imóvel e junte todas essas informações antes de fechar o negócio.

Viu só? Esses passos são essenciais para que você consiga comprar imóvel com tranquilidade. Siga todos eles e jamais assine o contrato se estiver com dúvidas. Confira outras informações no blog da Caprem e faça um bom negócio!

Como Escolher um Empreendimento Residencial para Morar?

Quem está em busca de um empreendimento residencial costuma ter muitas dúvidas sobre como fechar um bom negócio. É importante levar em conta diversos pontos antes de assinar o contrato, mas, às vezes, a euforia do momento pode atrapalhar uma avaliação profunda por parte dos compradores.

Por conta disso, e para te ajudar a realizar o melhor negócio na compra do seu imóvel, nós resolvemos listar alguns itens que você não pode deixar de checar antes de escolher a casa ou apartamento ideal. Veja só!

1. Avalie a localização e segurança da região

Para começar, verifique se a localização do empreendimento residencial tem capacidade para atender a todas as suas necessidades e a de quem vai morar com você. É importante checar como é o comércio da região: há supermercados, açougues, farmácias, padarias etc. nas proximidades? Além disso, os meios de transporte disponíveis no local devem ser levados em conta.

Outro ponto para conferir é a segurança da região. Converse com a vizinhança, visite o local em horários diferentes e saiba se o imóvel está em um endereço seguro, bem movimentado ou com um índice significativo de criminalidade.

2. Cheque detalhadamente o empreendimento residencial

Se o imóvel não estiver na planta, é possível que você faça uma checagem bem detalhada em suas instalações. Então, não deixe de avaliar bem cada cômodo e também toda a estrutura do condomínio.

Confira o nivelamento das paredes, a qualidade dos acabemos e, principalmente, possíveis infiltrações ou problemas na parte elétrica. Não corra o risco de fechar o negócio sem avaliar esses itens, isso vai evitar que você tenha que gastar com reformas ou despesas extras depois da compra.

3. Verifique a reputação da construtora

Um ponto de atenção de extrema importância para escolher seu empreendimento residencial é sobre a reputação da construtora. É ela, afinal, a responsável pelo andamento e conclusão da obra. Portanto, não deixe de conferir sua credibilidade.

Pesquise por depoimentos de outros compradores e, se possível, visite outros empreendimentos da empresa. Assim, você tem uma ideia melhor do histórico da construtora e de como será respaldado em casos imprevistos.

Agora que você já conhece alguns dos cuidados que deve ter para escolher o empreendimento residencial ideal, confira os empreendimentos da Caprem e conheça as opções de imóveis oferecidos.

Nossa construtora está no mercado imobiliário há mais de 10 anos. Conte com o nosso apoio!

Entenda Como Funciona o Minha Casa Minha Vida

Você provavelmente já ouviu falar sobre o programa do Governo Federal que auxilia compradores a realizarem o sonho da casa própria, não é? Mas, você sabe, realmente, como funciona o Minha Casa Minha Vida?

Basicamente, esse programa dá suporte para que compradores de diferentes classes econômicas possam comprar seus imóveis com mais facilidade de crédito, redução de taxas de juros, subsídios para auxiliar na entrada do apartamento ou casa, dentre outras coisas.

Como funciona o Minha Casa Minha Vida para as diferentes rendas familiares?

A forma de suporte do governo muda, basicamente, pela renda de cada família. Hoje em dia, uma família que tenha uma renda média mensal de até R$7000 consegue o apoio do programa para adquirir seu imóvel. Porém, quanto menor for a renda, mais vantagens o Minha Casa Minha Vida proporciona aos adquirentes.

Renda de até R$1.800

Para as famílias com renda média mensal de até R$1.800, o governo oferece a possibilidade de financiamento de até 120 meses (10 anos), com parcelas mínimas de acordo com a realidade de cada um e, também, do valor do imóvel. Essas prestações podem variar de R$80 a R$270 reais.

Renda de até R$2.600

Para quem tem uma renda de até R$2.600, a forma como funciona o Minha Casa Minha Vida na parte de financiamento muda um pouco. Essas pessoas têm acesso à uma taxa de juros reduzida, que gira em torno de 5% ao ano, e ainda têm a possibilidade de pagar as prestações por 360 meses (30 anos). O subsídio nessa categoria é de até R$47.500.

Renda de até R$4.000

No caso das famílias com renda bruta mensal de até R$4.000, as condições de financiamento permanecem parecidas com a anterior, podendo ter oscilações nos níveis de taxas de juros.  Além disso, o subsídio vai até R$29000.

Renda de até R$7000

Quando a renda média é de até R$7.000, o governo já não oferece mais tantas vantagens quanto para as famílias com rendas inferiores. Entretanto, para tornar o negócio atrativo, o programa Minha Casa Minha Vida oferece taxas de juros diferenciadas e descontos no seguro de financiamento.

Agora que você já entende melhor como funciona o Minha Casa Minha Vida, sabe em qual renda sua família se encaixa e quais benefícios pode colher do programa governamental. Continue acompanhando as dicas da Caprem para saber tudo sobre a compra do seu imóvel.

4 Dicas Para Economizar Dinheiro Para Comprar Apartamento

Quando chega a hora de ter a casa própria, o dinheiro para comprar apartamento é, geralmente, a maior preocupação. Saber organizar o orçamento, planejar os gastos com o imóvel e economizar para poder fechar o negócio é sempre motivo de muita reflexão.

Como sabemos que essa é uma realidade para boa parte dos compradores, resolvemos criar esse post com dicas que vão te ajudar a poupar dinheiro para adquirir seu apartamento. Confira!

1. Crie uma planilha para controle de gastos

A primeira e fundamental dica para economizar dinheiro para comprar apartamento é criar uma planilha de gastos. Assim, você tem um controle concreto de tudo o que costuma gastar por mês, para onde o seu dinheiro vai e, principalmente, o quanto costuma ficar disponível depois que as contas são pagas.

Não menospreze nenhum dado e anote todo o dinheiro que entra e todo o valor que sai. Isso será importante para te ajudar a identificar se você está usando o seu dinheiro da melhor forma, em que será mais fácil poupar ou se está tendo muitos gastos supérfluos.

2. Reduza os gastos com itens supérfluos

Como dissemos acima, às vezes, a falta de dinheiro para comprar apartamento pode estar diretamente relacionada aos gastos com itens supérfluos. Esse é o seu caso?

Com o auxílio da planilha de controle de gastos, avalie se você tem gastado seu dinheiro com roupas, acessórios, lazer ou, até mesmo, comida de forma exagerada ou desnecessária. Depois disso, elimine essas despesas do seu dia a dia e, por fim, é claro, guarde esse dinheiro em sua poupança.

3. Diminua despesas para economizar dinheiro para comprar apartamento

Na sua planilha de controle, você vai perceber que existem também as despesas fixas, aquelas que geralmente são pagas todos os meses e que são obrigatórias, como contas de luz, telefone, TV por assinatura e algumas outras.

Nem sempre é possível se livrar dessas contas, mas você pode gastar menos com elas, se economizar no uso de eletrônicos em casa, se diminuir o seu pacote de TV a cabo, se trocar seu plano pós-pago do celular por um pré-pago, dentre outras atitudes.

4. Evite fazer compras a prazo

Guarde seus cartões de crédito, carnês e qualquer outro item que facilite suas compras a prazo. Sempre que puder, pague à vista e não faça contas para serem pagas por vários meses, pois isso tem um grande potencial para comprometer o seu orçamento e prejudicar a sua renda posteriormente.

Agora que você já tem algumas dicas de como poupar seu dinheiro para comprar apartamento, fica mais fácil se policiar para alcançar o seu objetivo o mais rápido possível. Para ter mais informações sobre a compra de imóveis, continue acompanhando o blog da Caprem e fique por dentro das novidades!

Por Onde Começar: Confira Dicas Para Comprar Primeiro Imóvel

O momento da compra do primeiro imóvel é um dos mais planejados e esperados. Seja para sair da casa dos pais, para se casar ou, simplesmente, seguir a vida por conta própria, essa etapa sempre vem acompanhada de descobertas e, por isso, é extremamente importante se programar.

Comprar uma casa ou apartamento requer muita atenção, afinal o investimento não é pequeno e isso causa certo receio nas pessoas. Sendo assim, para te ajudar a fazer um bom negócio, nós separamos as dicas de como começar!

Programe-se financeiramente

Uma das principais preocupações na hora de comprar o primeiro imóvel diz respeito à parte financeira. Principalmente porque grande parte dos acordos são feitos por meio do financiamento do imóvel. As instituições bancárias chegam a liberar, geralmente, o crédito de 80% do valor do imóvel. Sendo assim, você precisa se organizar para ter, ao menos, 20% do valor para dar de entrada no apartamento ou casa.

Para estar preparado para esse momento e poder dar de entrada o maior valor possível, o ideal é que você se programe, evitando gastos e guardando na poupança o máximo que puder. Afinal, quanto maior for a entrada, menor será o valor financiado, assim as taxas de juros também baixam e as suas chances de ter o crédito liberado pelo banco aumentam.

Calcule o valor das parcelas do primeiro imóvel

Outro ponto de atenção é em relação às parcelas do imóvel. Antes de fechar o negócio, é importante que você calcule qual o valor aproximado que vai gastar com as parcelas mensalmente, para que se programe e não corra o risco de não poder honrar com os pagamentos.

O ideal é que você não comprometa mais que 20% da sua renda líquida com as parcelas do financiamento, afinal terá outras contas da casa nova para pagar.

Use o seu FGTS no financiamento

Todo trabalhador registrado no regime CLT, tem direito ao FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). O empregador deposita 8% do salário bruto do funcionário nesta conta e esse valor pode ser usado na compra do primeiro imóvel.

O caso mais comum é usá-lo para complementar a entrada e diminuir o valor do financiamento, porém, também é possível usar o FGTS para amortizar o valor das prestações a cada dois anos durante o pagamento do imóvel.

Tire todas as suas dúvidas

Antes de fechar um negócio como esse, você precisa estar com todas as dúvidas sanadas. Não é possível assinar um contrato sem saber exatamente tudo sobre a compra do imóvel.

É importante saber comparar as opções de imóveis para escolher a que melhor atende suas necessidades.

Um imóvel na planta, mesmo que demore alguns anos para ficar pronto, geralmente, tem um valor mais acessível e você tem a possibilidade de parcelar a entrada até a entrega das chaves. No imóvel novo, mesmo que eles costumem ser mais caros, você terá um custo menor com condomínio e uma infraestrutura melhor para aproveitar. Em contrapartida, os imóveis usados precisam de mais atenção, pois podem esconder problemas com documentação e exigir reformas elétricas e hidráulicas.

Para evitar qualquer problema ou surpresa na compra do seu primeiro imóvel e para contar com o auxílio de pessoas que possam te instruir, busque sempre por uma imobiliária ou construtora de confiança.

Gostou das dicas? Continue acompanhando o blog da Caprem e conte com nosso apoio para a realização desse sonho!